HISTÓRIA

O CHAKAL foi formado no início da década de 80 na cidade de Belo Horizonte. Contemporâneo de bandas viscerais da cena mineira como o Sepultura, Sarcófago e Holocausto, o CHAKAL é da chamada primeira geração das bandas pesadas de Belo Horizonte. Sua estreia foi na aclamada coletânea Warfare Noise que o alavancou para a gravação de seu primeiro álbum, o clássico ABOMINABLE ANNO DOMINI. Esse álbum já sublinhou a banda por seu diferencial técnico e preocupação em soar rápido e pesado sem esquecer das raízes clássicas do Heavy Metal. Suas temáticas líricas nesse álbum versavam tanto em temas de filmes e livros de terror, quanto pitadas políticas, fruto da necessidade de se colocar em um novo momento político brasileiro. Nada panfletário mas claramente mostrando que as mordaças da antiga repressão política tinham sidas arrancadas. Com vocais ferozes e performances marcantes o CHAKAL percorreu a década de oitenta assegurando seu lugar na história como uma das bandas fundadora de uma cena que alçou Minas Gerais como celeiro fértil de potentes músicos no panorama do heavy metal brasileiro e mundial. No final dessa década ainda lançou em um formato compacto, fazendo analogia aos antigos disquinhos de histórias para crianças, o LIVING WITH THE PIGS, peça raríssima e cultuada por colecionadores onde já trazia um CHAKAL mais maduro tecnicamente. Essa técnica nortearia a partir dali toda a discografia da banda.

THE MAN IS HIS OWN JACKAL traz guitarras ousadas e na cena cambaleante do metal na década de noventa, o CHAKAL consegue se manter fiel à seus propósitos. Esse disco marca para sempre a capacidade técnicas das seis cordas e a preocupação de se estar atualizado sem nunca esquecer suas raízes. Com a saída do vocalista, Laranja toma as rédeas e trás um CHAKAL irônico, olhando para linguagens estéticas originais para a época como os quadrinhos e criticando ferozmente a sociedade de consumo.

A ferocidade da bateria e o preciosismo das guitarras marcam o próximo álbum DEATH IS A LONELY BUSINESS, que mesmo sofrendo por constantes variações na formação manteve o CHAKAL de pé diante do cenário do Heavy Metal que passava por profundas transformações.

Uma longa hibernação veio até que o CHAKAL, desfalcado de Mark e com novo guitarrista AndrEvil, apresentasse seu trabalho conceitual: DEADLAND. Um trilha musical para um suposto apocalipse zumbi concebido por Korg, que voltava para o bando ao lado do baterista Wiz, o único presente em todas as formações. DEADLAND, foi uma armadilha para trazer Mark de volta para o bando, que se reapresenta de forma irrepreensível no próximo álbum : DEMON KING! Clássico! Era o que mais se ouvia em relação ao álbum. Raivoso e técnico, o álbum levantava o cheiro de enxofre da primeira a ultima faixa. DEMON KING é o álbum que trazia um CHAKAL colérico. A faixa título já profetizava : “Quando o último papa do velho século morrer, começará a era do Rei Demônio.”

Performances memoráveis com bandas seminais como SLAYER, DESTRUCTION, NUCLEAR ASSAULT, SODOM e tantas outras colocavam o CHAKAL como a mais importante banda brasileira em ação e com isso incentivou a volta de várias outras bandas da cena mineira da década de oitenta e noventa .

Foram necessários nove anos para que os lobos mostrassem porque o CHAKAL ainda está por aqui. DESTROY! DESTROY!DESTROY! o sexto álbum completo, coloca a banda em um patamar diferenciado. Feito totalmente independente, o álbum traz consigo um CHAKAL por inteiro. Letras que reverenciam as principais obras e personagens do terror clássico, solos brilhantes, baterias inspiradas e um vocal maduro e com personalidade. Com um novo baixista a bordo, e desafiando o mercado dos downloads, o CHAKAL bota na mesa a forma física do CD. DESTROY! DESTROY! DESTROY! foi consumido vorazmente pelos fãs.

Após a tourne do Destroy, baixista e vocalista deixam a banda, então os lobos resolveram homenagear o velho THE MAN IS HIS OWN JACKAL, obra muito marcante e que teve pouco tempo de produção, devido aos altos custos de estúdio nos anos 90. Ao longo de dois anos, o CHAKAL refez cada pedaço, cada nota, com o cuidado que se tem para um novo membro da matilha. Feito com calma e mais sarcasmo ainda, será lançado com o nome “MAN IS A JACKAL 2 MAN”. Laranja volta ao baixo e aos vocais, e as músicas voltam com solos e bases de guitarra caprichados e bumbos incansáveis. O CHAKAL está preparado de novo para os palcos, com sede e energia no máximo, como se os anos 80 tivessem acabado de ficar pra trás.

E os fãs do CHAKAL sabem o que está por vir…

LYRIC VIDEO

Santa Claus Has Got Skin Cancer (2017)

“Crystal Lake now is his crypt
Crystal Lake now is his domain

Jason lives!”

  • 1987 – Jason Lives – Abominable Anno Domini

DISCOGRAFIA

LOJA

SHOWS

O Chakal está se preparando para apresentação em várias cidades pelo Brasil. Aguarde!